MANIAS

Cinco anos depois do fim, de um relacionamento de cinco anos, ele ainda faz a barba todos os dias como ela sempre pedia. Não usa mais camisa baby look e vai ao cinema sábado sim, sábado não. Usa o perfume dela, feminino sim, e nem se importa. Guarda uma foto dela no fundo da carteira e faz a cama imediatamente quando acorda. Bebe Martini, come batata frita, e se não bastasse, ouve Legião todos os dias. Claro, o CD foi ela quem deu, no dia dos namorados do segundo ano de namoro. Tem violetas de dois tipos na área de serviço, que ficaram de herança, e que rega todos os dias antes de ir trabalhar. Anda nas ruas olhando pro tempo, viaja e assovia canções.

Ela anda de moto, coisa que tinha medo. Adivinhe quem ensinou. Agora só escreve em terceira pessoa, mas claro, tem remetente e destinatário definidos. Ainda vai a igreja nas manhãs de domingo e na saída come cachorro quente na barraquinha da esquina. No pescoço uma bijuteria, com uma letra que não é a inicial de seu nome, e no pulso o relógio que ganhou no último Natal que estiveram juntos, poucos dias depois da última reconciliação. No porta fotos do quarto, a dele agora é pequena, sem nenhum destaque dentre as outras dezesseis, mas está lá. Olha pra baixo e coça a cabeça quando não está gostando da situação. E sim, não usa decote. Cinco anos depois dos cinco anos, e ainda é assim.

São marcas que as pessoas deixam umas nas outras.
Ou apenas um tipo de namoro, desses que não termina no fim. (…)

No som: Damien Rice – I remember

Anúncios

36 comentários sobre “MANIAS

  1. ai que coisa, consigo sentir as palavras.

    fico impresionada como existe pessoas que nos tocam tão profundo e nos deixam marcas, nos deixam se-las e somos-nas de uma maneira tão intesa que isso nunca se vai.

    vou ti contar um secredo, eu lembrava do meu ex quando agente terminou, quando mexia o copo de leite com toddy, vinha o barulho e a maneira com que ele fazia ao preparar essa bebida pra mim, e começava a chorar.
    q louco.

    beijos

  2. É verdade… Há coisas que não findam com o término… Não importa qto tempo tenha se passado…
    Às vezes essas coisas me assustam… E eu pergunto: “Até qdo??????”
    Belo texto! Beijos

  3. Ah como vc tem toda razão neste texto… nos acostumamos aos constumes impostos, meio que sem querer, de um relacionamento que não acaba contrariando a vontade dos donos do coração… mas isso não é lindo! Marcas da vida são sempre bem vindas!!!

    P.S.: Eu tb moro na região do barreiro… somos vizinhos rsrs que coincidência!!!

    bjo, ah te add no msn blza!

  4. Nossa amei.
    Bom eu vi assim: esse lance de chegar pra alguém e acabar com algo vivido eh foda, e ainda sentir, fazer… o deixar marcas. isso sempre acontece. É FATO.
    a gente nao joga fora o que viveu com o outro de um dia para outro, demora pra sarar, e pra esquecer entao… xiii…

    as BOAS marcas sao as MELHORES.

  5. Raros namoros terminam. Se terminassem, ao menos o respeito e mínima intimidade teriam continuação. No entanto, em sua grande maioria, os “separados” mal voltam a se comunicar. Isso aumenta o peso do que nos deixaram, do que nos levaram, do que não deu tempo de trocar…

    Não sei se é o caso; apenas pareceu-me pelo uso da terceira pessoa. Precisamos conversar. Vou te escrever um e-mail em breve.

    Quanto à “garota Free Burma”… sou uma “cavalheira”: jamais responderia o que pensei a uma dama.

    Piter, beba mais água. Respire com atenção.
    Fique bem.

    Sempre.

  6. Sabe, as pessoas modificam a nossa vida. Positiva e -às vezes até- negativamente. Eu adquiri muitos hábitos com meu ex namorado, por exemplo. E sei que ele adquiriu muitos comigo, também. Como escutar legião, gostar de poesia, ler Hermann Hesse e García Márquez. É um ciclo, são trocas.
    No meu relacionamento atual as coisas são bem semelhantes, aprendemos muito um com o outro e estamos aprendendo a ‘negociar’ as diferenças, porque naturalmente vamos marcar a vida um do outro. As pessoas têm – temos lembranças, e os afetos ficam.
    Aliás, o que se leva da vida -creio eu que seja somente os afetos, e os valores intelectuais e morais. O resto? O resto é daqui e aqui fica.
    Eu não tenho comunicação ativa com um ex meu -e penso que é até melhor assim. Com o outro, tenho. E isso me faz bem vezenquando.
    Espero que as coisas melhores.
    Que o pensamento ‘nela’ se dissipem,
    E que possas ter os gostos como teus, e não como ‘testamentos’ deixados por ela.
    Beijos.

  7. Verdade.
    Ainda não consigo usar marrom.
    Resistimos a essas “manias” que ficam.
    Só que na verdade o que não fica é o que mais incomoda.

    ____________

    Poderoso Chefão? Clássico.
    Gosto muito.
    E claro, também tenho os três.

    ____________

    Nossa, o Butler estava perfeito em “P.S…”
    Achei Lisa Kundrow ótima também.

    Abraço!

  8. Olha… já ouvir dizer uma coisa bem interessante sobre isso. As pessoas, com suas personalidades, não são formadas sozinhas e, além disso elas não são pessoas absolutas. Elas estão sempre se modificando a partir das relações que ela constróem.
    É bem isso o que você falou!
    Tudo a todo tempo muda na nossa vida e a maneira de interpretá-la também. E, com certeza, as relações nos deixam marcas e costumes adquiridos. E esse detalhe é melhor de tudo!

    Um cheiro, querido!
    Até!

  9. Brigada pela visita e pelo comentário!!
    Que bom que você gostou das coisas que eu posto?
    E em relação ao seu comentário, organizar como??Diminuir imagens e gifs??

    Brigaada

    Bjs

  10. SENHORITA TELLES:

    Realmente, o Butler está ótimo em “P.S”!
    Ele faz o papel do homem que toda mulher sonha em ter: Bonitão, sarado, talentoso, de bom humor, brincalhão, jovem, romântico, apaixonado etç…
    Nem parece o Leonidas dos 300!
    Acho até que o filme merecia uma menina mais bonita. Talvez a Kate Backinsale. Mas o Hilary estava ótima também. O talento dela é indiscutível.

    Un abrazo!

  11. Que bom que você disse isso Piter.
    Disse a minha irmã que a Hilary é meio feinha para o papel.
    Você precisava ver o discurso sobre o ideal de beleza plástico hollywoodiano, a prioridade do talento e o blá blá blá que eu ouvi. Ainda não entendi muito o que tinha a haver com a minha observação. Mas…
    Fiquei até receiosa de comentar com mais alguém, rs.
    Ah, Kate Beckinsale? Não sei…
    Pensei em Keira Nnightley para o papel.

    Beijo!

  12. SENHORITA TELLES:

    A Hilary é muito talentosa, e seus dois orcars já dizem tudo. Mas ela não é lá o padrão de beleza. E claro, isto conta para o cinema e para muitas outras profissões.

    Agora, sejamos realistas: Vai me dizer que este tipo de comentário não acontece na vida real? “Ele é bonito demais pra ela” ou vice-versa.

    Un abrazo

    *Para mim a Keira é britânica de mais para fazer papel de americana. Ainda mais depois de “orgulho e preconceito” e “desejo e reparação”. Talvez a Natalie Portman.

  13. sei bem como são essas coisas…..nem sempre dizer que é o fim….não quer dizer dizer necessariamente que acabou!
    Pena que tenha que ser assim!
    Bjussssss

  14. Pensando bem, estando o Butler beirando a perfeição, talvez uma atriz muito bonita formaria um casal meio surreal.
    A Hilary deu um toque comum ao casal.

    Abraço!

    P.S. Acho a Natalie Portman estranha.
    É. Também não sei o porquê.

  15. Olá, Piter!

    Muito profundo o seu texto!

    Acredito que o que menos gostamos na outra pessoa é o que herdamos mais facilmente dela.

    É difícil mudar um costume…

    Beijos

  16. As marcas de um amor que ainda não chegou ao fim…

    E agora adivinha a música que começa a tocar no som….
    “eu sei que vou te amar, por toda a minha vida, eu vou te amar…”

    É verdade que nem sempre é possível ser para sempre! Mas a lembrança é o nosso legado, o que levamos até que a vida nos tragam o infortúinio de roubar-nos a nossas tão singelas lembranças.

    Eu sei que vou amar uma pessoa, por toda a minha vida. E nunca mais poderei ter seus beijos e abraços.

    beijocas.

  17. Todos nós deixamos marcas na vidas das pessoas, mesmo quando achamos que não. Todos deixam marcas em nossas vidas, mesmo quando não queremos. Não sei se felizmente ou infelizmente, mas entendo o texto e posso tirar algumas coisas para me identificar.
    Adorei mesmo!

    beijos (respondendo meio tarde a sau visita no meu blog, mas respondendo, né? e com muito prazer!)

  18. Lindo, verdadeiro, sofrido, real.
    Ninguém parte como veio, nem quem fica é como chegou.
    Deixamos nos outros o mesmo pouco que recebemos.

    Dia após dia, será sempre assim.
    Viva o amor, a distância e a saudade.
    Viva! por ter histórias pra contar.

    AMEI!

  19. Quando um relacionamento dura tanto tempo assim, é quase impossível não restar marcas quando chega ao seu final…
    No caso deles pode ser que essas marcas estajam mais presentes do que o normal… vai ver o que havia era amor, amor de verdade… daqueles que mesmo quando se acha que chegou ao fim, não chegou não…. Pois amor que é verdadeiramente amor, é eterno!!

    Bjinho pra ti!

  20. os namoros que não terminam no fim…
    cicatrizes, marcas, memórias… hábitos adquiridos, que não eram nossos, mas passam a ser.

    sopros de luz!
    =***

  21. às vezes isso é imperceptível…
    e, mesmo que você pense que superou, aquelas lembranças sempre voltam e alguns hábitos permanecem…

    O amor muda…
    mas também mantém certas atitudes

    adorei o post (pra variar)

    ;**

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s