SOBRE A MORTE

Os planos que fazemos para vida incluem ingenuamente outras vidas: Pessoas que sonham por si, e que também planejam suas vidas com a presença de outras. Um festival de desejos incompatíveis escondidos na névoa da ausência de um raciocínio lógico. Seguimos assim anestesiados, no ritmo insano do labor nosso cada dia, acreditando com demasiado otimismo de que as forças que regem o universo irão conspirar a nosso favor. Não contamos com as adversidades, ou preferimos desconsiderar, agarrados à falsa idéia de que sempre haverá tempo. E deixamos de lado uma das poucas certezas: A da morte! E vamos morrer, todos nós, invariavelmente, e relativamente jovens, com o lamento de que poderíamos ter ficado um pouco mais. Pois cada fôlego que se esvai frustra muitos planos daqueles em que o pulso ainda pulsa.

Vou lá fora viver meus sonhos possíveis.

*** “Fui à Floresta porque queria viver livre. Eu queria viver profundamente, e sugar a própria essência da vida… expurgar tudo o que não fosse vida; e não, ao morrer, descobrir que não havia vivido”.
Henry David Thoreau

***Citação imortalizada nas telas no cinema na obra Sociedade dos Poetas Mortos, do diretor Peter Weir.

“Pegue seus botões de rosa enquanto pode. O tempo está voando. A estas horas, flores que hoje riem, amanhã estarão mortas”.
Carpe diem


___________________________________________________________________________________________________

Ao som de Teddy Thompson – Down low

Anúncios

13 comentários sobre “SOBRE A MORTE

  1. Eu tenho pensamentos terriveis em relaçao a morte e outros tantos positivos. Sem ela o mundo ficaria cheio e chato.
    Penso na minha morte. Se eu morrer agora, tão jovem, sei que ninguém sentirá falta, será até um alívio pra muitos. É terrivel admitir, mas nao deixa de ser verdade. Quantas vezes nao pensei em suicídio? Quantas vezes desisti por considerar a morte por livre e espontânea vontade um sinal de fraqueza? Quantas vezes escrevi cartas de despedida e refiz toda uma retorspectiva de minha vida? O que me mantêm viva é esse sonho estúpido que talvez eu nunca consiga realizar: O de levar minha escrita aos olhos de algué, apenas isso me dá forças paracontinuar.

    Gostei muito da citação ao filme Sociedade dos Poetas Mortos.

  2. adorei o texto,como sempre escreveu mto bem…
    Somos egoistas, não queremos morrer nunca e não queremos deixar q os que nós amamos nos deixem…
    è complexo isso de morte…vivemos pra isso, para morrer, e não temos certeza do que nos aguarda!
    bjus….

    nao suma nunca mais do muito de mim!

  3. Ótimo texto Jean! Sobretudo o início me achamou muito a atenção! Planejamos nosso vida contado com o outro sem nem ao menos notarmos isso, já pensei nisso várias vezes!E definitivamente eu preciso ver esse filme!
    As pessoas tem medo da morte, não gostam de considerá-la ou mesmo sentem agouro pela palavra. Eu entendo como um processo normal. Não há grande motivo para temê-la, afinal ter medo da morte é ter medo de viver, pois td que um dia realmente vive, morre…
    Bjos!

  4. O texto ficou excelente; juntamente com as fotos. A morte também conhecida como a musa da filosofia é realmente e invariavelmente o nosso destino último. Lucrécio costumava dizer: “Onde a morte está não estou, onde estou a morte não está” ou mesmo Schopenhauer: ” Cada vez que respiramos, afastamos a morte que nos ameaça. (…) No final, ela vence, pois desde o nascimento esse é o nosso destino e ela brinca um pouco com sua presa antes de comê-la. Mas continuamos vivendo com grande interesse e inquietação pelo maior tempo possível, da mesma forma que sopramos uma bolha de sabão até ficar bem grande, embora tenhamos absoluta certeza de que vai estourar.” Um abraço.

  5. falar de morte é extremamente complicado…

    E respondendo a tua pergunta, o blog é sim uma alusao a musica SE do Djavan, q eu adoro, e q pra mim diz tanto..

    bjão, e muito obrigad apela visita.
    volte sempre =)

  6. gostei pra caramba do filme (sociedade dos poetas mortos)… É algo bastante inspirativo para mim, que sou poeta gostei mesmo. carp diem!

  7. A capacidade com que o homem tem de ver as coisas passarem sem olhar as transformações que a vida lhe oferece e que passando por cima delas ele deixa de aprender e compreender a si mesmo deixando de se tornar autônomo e através dessa evoluir espiritualmente..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s